Chega pra somar e a hora certa.


sábado, 8 de dezembro de 2012

CENTENÁRIO CHEGANDO CONTAGEM REGRESSIVA FALTAM 5 DIAS

////Uma materia super bacana e importante no site de Gilberto Gil mostra a importância da musica gonzagueana e Rei Luiz Gonzaga para a musicalidade do Brasil.///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// Luiz Gonzaga revisitado Sílvio Osias //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// Gravar Luiz Gonzaga não é novidade na carreira de Gilberto Gil. A primeira vez foi no disco que fez em 69, antes do exílio londrino. A música era 17 Léguas e Meia. Gil gravou avoz e o violão, e, mais tarde, o maestro Rogério Duprat colocou os outros instrumentos. O Rei do Baião reapareceria mais algumas vezes no seu repertório: em Respeita Januário, numa vibrante performance no festival de jazz de Montreux, em 78; em Macapá, música pouco conhecida, lado B do compacto, cujo lado A era Não Chore Mais, de 79; e em Vem Morena, do disco Raça Humana, de 84. Em 86, Gil pôs letra em 13 de Dezembro, melodia de Gonzaga, mas não a gravou. O reencontro de Gil com a música do criador do baião, através do disco As Canções de Eu, Tu, Eles, remete não só a presença de Luiz Gonzaga em seu repertório, mas, sobretudo, a forte e decisiva influência dos gêneros nordestinos sobre seu trabalho. A verdade é que, muito antes de ser atraído por João Gilberto, em 59, à época em que decidiu que o seu instrumento seria o violão, ele já havia, na infância, se encantado com Luiz Gonzaga, o que o levou a tocar sanfona. Esta influência da música nordestina está presente em boa parte do que tem produzido, desde as gravações anteriores ao movimento tropicalista (Procissão, por exemplo), até o álbum conceitual Quanta, de 97, seu mais recente disco de autor. O Nordeste, aliás, é uma espécie de nave-mãe em dois dos melhores discos que gravou, Expresso 2222, de 72, e Refazenda, de 75. Mais do que isto. Lembrando a afirmação de Caetano Veloso, de que o tropicalismo o filho da licão de Pemambuco, pode-se dizer que a passagem de Gil por Recife, pouco antes do êxito de Domingo no Parque, foi mesmo fundamental para a eclosão do movimento que abalou as estruturas da MPB na segunda metade dos anos 60. Os ritmos nordestinos se fariam tão presentes nos discos tropicalistas, que as figuras de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro (mais Gonzaga do que Jackson) não tardariam a ser retiradas do ostracismo em que se encontravam. E, a partir da revalorização da música do Nordeste, por Gil, Caetano e pelos companheiros de tropicalismo, seriam estabelecidas as bases de muita coisa que aconteceu depois na música brasileira feita por nordestinos, seja os da geração de Alceu Valença, seja os rapazes pernambucanos que, nos anos 90, fundaram o mangue beat. A intimidade com o repertório de Luiz Gonzaga, no disco As Canções de Eu, Tu, Eles, não pegará de surpresa os que acompanham de perto a sua carreira. Gil regravou as músicas sem se distanciar muito da sonoridade original, produzindo o que, numa visão um tanto quanto simplificadora, poderia ser considerado um autêntico disco de forró. São músicas que Luiz Gonzaga gravou (nem todas de sua autoria), ou no tempo em que o baião reinava (Asa Branca, Juazeiro, Assum Preto), ou quando seu criador estava esquecido e tentava reencontrar o sucesso. E desta fase, e a letra não nega, o baião Óia Eu Aqui de Novo, do paraibano Antônio Barros. Já O Amor Daqui de Casa e As Pegadas do Amor, inéditas de Gil, tem letra e melodia perfeitamente adequadas à paisagem árida do filme Eu, Tu, Eles, dirigido por Andrucha Waddington. No palco, no show que mouton para lancar o disco, Gil celebra a sua ligacão com o Nordeste, mostrando outras músicas de Luiz Gonzaga, além das que estão no CD, e algumas das suas composições mais identificadas com os ritmos da região (De Onde Vem o Baião, São João, Xangô Menino, Refazenda). O resultado, que o público paraibano pôde ver ao vivo no São João de Campina Grande, é um emocionado reencontro com as raízes nordestinas, antecipado no documentário Tempo Rei, de 96. Nele, o compositor volta a Ituaçu, cidade onde passou a infância, e Luiz Gonzaga está lá, em suas lembranças. Gil ao vivo no São João de Campina Grande, cantando Luiz Gonzaga e falando sobre a importância do baião na música brasileira, me faz pensar nas vezes em que vi de perto o autor de Asa Branca. Nas apresentações improvisadas, em praça pública, ou em shows mais ensaiados, como aquele ao lado do filho Gonzaguinha, ver Luiz Gonzaga ao vivo era sempre algo especial, pela força da sua obra e da sua figura, por tudo o que representava como um dos pilares da música popular do Brasil. Em 88, no último show que fez em João Pessoa, um ano antes de morrer, Gonzaga tirou a indumentária de Rei do Baião ainda no palco do Espaço Cultural. Era um rei despido dos seus trajes - o chapéu e o gibão de couro - diante dos súditos, como num gesto de adeus. Uma imagem inesquecível, que fica mais próxima agora, quando Gil revisita essas canções que deram dimensão nacional a música do Nordeste. in Meio Bossa Nova, meio Rock'n Roll. Sílvio Osias. Edição do autor, ////TREZE DE DEZEMBRO//// Gilberto Gil ////Bem que essa noite eu vi gente chegando//// Eu vi sapo saltitando e ao longe//// Ouvi o ronco alegre do trovão//// Alguma coisa forte pra valer//// Estava pra acontecer na região//// Quando o galo cantou///// Que o dia raiou//// Eu imaginei//// É que hoje é treze de dezembro//// E a treze de dezembro nasceu nosso rei//// O nosso rei do baião//// A maior voz do sertão//// Filho do sonho de Dom Sebastião//// Como fruto do matrimônio do cometa Januário//// Com a estrela Sant'Ana//// Ao romper da era do Aquário//// No cenário rico das terras de Exu//// O mensageiro nu dos orixás///// É desse treze de dezembro que eu me lembrarei//// E sei que não esquecerei jamais///// //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=HqovobULPN8

Homenagem as mulheres. 8 de Março - Meu carinho, respeito e admiração a todas as mulhers

Para assistir o vídeo, Clik na imagem do vídeo e se encante com o poema 8 de Março. Poema esse, que é parte integrante do livro " A MINHA NOSDESTINIDADE ABRAÇANDO A POESIA' de minha autoria que em breve será lançado.
Loading...

Justa homenagem Patativa do Assaré

Para assistir o vídeo . Clik na imagem do vídeo.
Loading...

Confira Zé Carijó em dois momentos.

é só clikar no play.Radinho 01. Sebastiana - Radinho 2. Pode me levar pra casa ==================================
===================================
 
====================================
Loading...

Na voz do Cantor e Compositor baiano GILTON DELLA CELLA

 Pedro Sampaio - PERFEITO ATO DE AMOR
=================================================  Pedro Sampaio - SONETO A VIRGEM DE FÁTIMA

Quero um mundo de bem e paz.

Photobucket

Faça sua pesquisa aqui